29.1 C
João Pessoa
terça-feira, setembro 20, 2022
- Anúncio -spot_img
InícioPesquisas contra o CâncerUsando dados do mundo real para melhorar a prestação de cuidados de...

Usando dados do mundo real para melhorar a prestação de cuidados de câncer, medicina de precisão

Os dados do mundo real podem ajudar os pesquisadores de câncer a descobrir insights importantes, incluindo aqueles relacionados à sub-representação em ensaios clínicos, que têm o potencial de melhorar significativamente a qualidade da prestação de cuidados em medicina de precisão.

– À medida que os esforços para reduzir e, eventualmente, eliminar o câncer, como o Cancer Moonshot do presidente Biden , ganham força, os provedores são encarregados de encontrar maneiras de melhorar a prestação de cuidados e a pesquisa do câncer. Como resultado, o setor de saúde tem visto um progresso significativo nas áreas de medicina de precisão e tratamento personalizado do câncer.

Apesar desses avanços, as questões de dados continuam sendo um grande obstáculo para os pesquisadores que buscam aprimorar o tratamento do câncer. Gabrielle Rocque, MD, oncologista médica de mama e pesquisadora de serviços de saúde da Universidade do Alabama em Birmingham, conversou com a HealthITAnalytics para discutir como o uso de dados do mundo real ajuda a enfrentar alguns desses desafios e como ela usa esses dados em sua pesquisa.

AS VANTAGENS DOS DADOS DO MUNDO REAL

Os dados do mundo real são particularmente úteis para pesquisadores como Rocque, pois oferecem algumas vantagens que outros tipos de dados não oferecem. A pesquisa de Rocque está fortemente focada na qualidade da prestação de cuidados, que é avaliada em muitos ensaios clínicos. Mas essas avaliações, por meio das quais as informações de dados são coletadas, podem ser afetadas pela demografia do paciente.

Em um projeto recente, Rocque e sua equipe utilizaram dados do mundo real para entender os resultados daqueles tipicamente sub-representados ou não representados em ensaios clínicos, como indivíduos em ambas as extremidades do espectro etário e pessoas de cor. Os pesquisadores também analisaram os resultados de pacientes cujos resultados laboratoriais anormais ou diagnóstico de um segundo câncer normalmente os excluiriam dos ensaios clínicos.

Rocque observou que, embora esses pacientes não estejam bem representados em ensaios clínicos, os médicos os veem frequentemente no ambiente clínico.

“Então, queremos ter informações sobre o que dizer aos nossos pacientes sobre os resultados esperados e como os diferentes medicamentos funcionam. [No estudo], uma das principais descobertas foi que, para aqueles pacientes que são excluídos normalmente dos ensaios com base em seus resultados laboratoriais anormais… eles realmente tiveram resultados de sobrevida inferiores”, afirmou Rocque. “Isso realmente destaca a necessidade de fazer esse tipo de trabalho usando dados do mundo real para populações que não estão incluídas e começar a pensar sobre ‘Quais são os impulsionadores desses resultados diferenciais?’ e ‘Como podemos fornecer melhores cuidados à nossa população de pacientes em geral?’ [em vez de] apenas aqueles pacientes que estão fisicamente aptos, muitas vezes mais jovens e brancos”.

Como os dados de ensaios clínicos não estão disponíveis para esses pacientes, os dados do mundo real são uma das únicas maneiras de obter informações clinicamente úteis. Muitas plataformas de dados de oncologia, como CancerLinQ, que Rocque usou para este estudo, utilizam EHRs para gerar conjuntos de dados do mundo real. Isso também pode dar aos pesquisadores acesso a informações mais abrangentes sobre os pacientes.

No estudo de Rocque, os valores laboratoriais foram fundamentais para determinar por que alguns pacientes foram excluídos dos ensaios clínicos. Quando os pesquisadores precisam confiar em outros tipos de dados, como informações extraídas de um banco de dados de sinistros, em vez de dados do mundo real, algumas informações cruciais, como resultados de laboratório, geralmente são limitadas. Por exemplo, os pesquisadores podem ter acesso a códigos de diagnóstico em dados de sinistros, mas não a valores laboratoriais que indicam a gravidade da doença. Dessa forma, os dados do mundo real permitem que os pesquisadores aprofundem as variáveis ​​clínicas, como gravidade da doença e comorbidades, que podem melhorar significativamente a qualidade da pesquisa.

Os dados do mundo real também ajudam os pesquisadores interessados ​​em condições menos comuns que não são tão prováveis ​​de serem estudadas em ensaios clínicos. Com acesso a dados de milhares de pacientes, a falta de ensaios clínicos torna-se uma barreira menor para pesquisadores interessados ​​em doenças raras.

DADOS DO MUNDO REAL E TRATAMENTO DE CÂNCER PERSONALIZADO

O tratamento personalizado do câncer está se tornando mais popular à medida que as inovações em genômica continuam a se desenvolver.

Pacientes com biomarcadores específicos ou padrões genéticos para certos tipos de doenças compõem um subconjunto menor de pacientes com câncer. Por causa disso, os dados do mundo real podem ser usados ​​de maneira semelhante à forma como os pesquisadores os usam para avaliar pacientes que estão sub-representados nos ensaios.

Em ambos os casos, os dados do mundo real permitem que os pesquisadores examinem esses subconjuntos de pacientes em uma escala maior, agregando seus dados, em vez de deixar os pesquisadores confiar em informações de ensaios clínicos que podem ou não ter ocorrido.

“Acho que ser capaz de fazer algumas dessas análises mais complexas ajudará a nos orientar sobre qual é o tratamento correto para indivíduos com padrões específicos, de uma perspectiva genética”, observou Rocque. “Além disso, isso pode levar você a testar isso formalmente e deve levá-lo a testar isso formalmente, em ensaios controlados randomizados. Então, às vezes, o que vemos dessa análise baseada em big data é na verdade um sinal que nos dá uma direção para dizer: ‘Devemos desenvolver estudos para testar esse medicamento específico nesse cenário específico, porque vimos esse sinal no mundo real dados.'”

Ao analisar esses subconjuntos de pacientes, os pesquisadores podem se aprofundar em como esses pacientes experimentaram os cuidados e que tipo de tratamento funciona para eles, o que pode ser usado para melhorar a prestação de cuidados ao câncer, afirmou Rocque.

HARMONIZAÇÃO DE DADOS E DADOS RELATADOS PELO PACIENTE

Os dados do mundo real são extremamente úteis para os pesquisadores, pois aumentam o volume de dados de pacientes de alta qualidade, o que é fundamental para a generalização. Achados mais generalizáveis ​​são desejáveis ​​em ambientes clínicos porque esses achados podem ser usados ​​para tratar várias populações de pacientes, o que pode levar a melhores resultados de saúde e ajudar os profissionais a abordar questões como a desigualdade na saúde.

No entanto, os dados do mundo real não são sem limites. Segundo Rocque, a harmonização de dados é um fator crucial a ser considerado pelos sistemas de saúde ao capturar e compartilhar dados. A harmonização de dados refere-se ao esforço de combinar dados de fontes diferentes e integrá-los em um formato mais unificado e fácil de entender. É semelhante à interoperabilidade , mas está mais especificamente preocupado em padronizar como os dados são capturados e compartilhados para garantir a precisão dos dados.

Na opinião de Rocque, a harmonização de dados e a interoperabilidade entre os sistemas de saúde ajudarão a obter um uso de dados mais preciso na pesquisa clínica. Mas ela também destacou a importância dos dados relatados pelo paciente.

“Estamos em uma era em que os dados relatados pelos pacientes estão se tornando cada vez mais importantes”, afirmou Rocque. “Então, um dos lugares em que acho que também temos uma grande oportunidade é pensar em como agregamos os dados relatados pelo paciente, os resultados relatados pelo paciente, as preferências relatadas pelo paciente [e] todas as coisas diferentes que vêm diretamente de pacientes. Há um movimento crescente para pedir feedback direto aos pacientes, e acho que essa será outra importante fonte de dados do mundo real à medida que avançamos”.

- Advertisment -spot_img

MAIS POPULAR

Comentários